Notícias

Timestamp espera reforçar exportações em 2012

A Timestamp – Sistemas de Informação registou um volume de negócios de 10 milhões de euros em 2011, um crescimento de 20% face ao exercício anterior. Deste valor, 70% – cerca de 740 mil euros – foi facturado no estrangeiro e para o ano de 2012 a empresa espera crescer “tanto em Portugal como no estrangeiro”, diz o administrador da Timestamp, João Veiga. Em 2010 o peso dos negócios no estrangeiro era de apenas 3,4%.

Em declarações ao Diário Económico, João Veiga salienta que tem “trabalhado em regime de parceria para as mais diversas localizações. Sendo a Timestamp uma empresa com recursos experientes, intervimos em diversos mercados como os Estados Unidos, Japão, Europa e África”.

Quanto aos principais desafios da empresa para os próximos anos, aquele responsável refere que passam por “manter os clientes com níveis de satisfação elevados, colaboradores com níveis de satisfação elevados, crescimento sustentável, reutilização de soluções, reutilização do conhecimento e ter colaboradores com formação actualizada”.

João Veiga faz questão em salientar que grande parte dos quadros da Timestamp são consultores (130) “com muita experiência, oriundos de multinacionais do sector das TI e da consultoria”. “A aposta em recursos experientes e qualificados permite níveis de excelência, de desenvolvimento, crescimento e inovação muito elevados permitindo-nos ser uni valor acrescentado para os nossos clientes”, frisa o administrador da Timestamp.

Para aquele responsável, Portugal é um mercado com “elevados níveis de desenvolvimento na área das tecnologias de informação”, por isso a Timestamp “aposta continuamente na formação dos nossos quadros e na inovação”. “Um consultor da Timestamp distingue-se por ser um profissional que está no ‘top’ da indústria, independentemente de estar a trabalhar num projecto em Portugal, nos Estados Unidos, no Japão na Europa ou em África”, acrescenta. E dá como exemplo a área dos ‘Enterprise Resource Planning’ (ERP) – sistemas integrados de gestão empresarial, onde a Timestamp implementa os sistemas recorrendo a plataformas aceleradoras da implementação, o que permite “reduzir custos de implementação, riscos de projecto e tempo de implementação”. “Recorrendo a este tipo de metodologias, somos competitivas em qualquer geografia” salienta João Veiga.

A Timestamp conta com 345 clientes activos, sendo a banca o sector que tem maior peso (27%), seguindo-se as telecomunicações (15%), a saúde (12%) e as ‘utilities’ (10%). Mas a empresa tem também clientes na área dos serviços, da indústria, da aeronáutica e dos portos.

A Timestamp presta serviços no âmbito dos sistemas de informação, onde actua em quatro grandes áreas: implementação de sistemas ERP, CRM e ‘business intelligence’; testes de ‘software’ com laboratório próprio (com certificação ISO 17.025); concepção e desenvolvimento de soluções à medida; e instalação, operação 24×7 e ‘tuning’ de infraestruturas críticas ao nível dos sistemas operativos, bases de dados, servidores aplicacionais e de alta disponibilidade. A empresa tem a certificação ISO 9.001.

Tendo participado em projectos no âmbito das cidades e regiões digitais da Administração Central portuguesa, a Timestamp lidera também projectos desta natureza nos países de língua oficial portuguesa (PALOP).

Mas os negócios não são a única preocupação da empresa. Por isso, iniciou em 2009 um projecto global e extensível a todos os seus colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros, Estado e empresas associadas, bem como junto da sociedade em geral, um projecto de “desenvolvimento sustentável”, no sentido de promove/ uma atitude responsável de todo o ecossistema em que actua. Este compromisso foi também impulsionado pelas circunstâncias particularmente difíceis que se viveram em 2009, em termos económicos e sociais.

In Diário Económico